Notícias

Clique nas tags para filtar as notícias
Visualize as notícias por mês e ano
Buscar
terça-feira, 1 de setembro de 2015

No Dia do Bailarino, saiba mais sobre um dos grandes desafios da profissão: a audição

voltar

Ex-aluna da Escola Bolshoi no Brasil, Amanda Gomes atualmente é solista da Ópera de Kazan, na Rússia (Foto: Áurea Silva)

Se o Dia do Bailarino, comemorado em 1º de setembro, é a data para celebrar uma das profissões mais belas do mundo, é também para homenagear homens e mulheres que dedicam parte de suas vidas à arte da dança – e esse trabalho exige mais preparação física, intelectual e emocional do que sua plateia possa imaginar. E esse trabalho passa por um desafio que faz parte da vida de todo grande bailarino profissional: a audição.

Uma das audições mais importantes do país acontece de 23 a 25 de outubro de 2015 em Joinville, Santa Catarina. Lá, fica a Escola do Teatro Bolshoi no Brasil, única extensão da companhia de balé russa no mundo, que, em 2015, completou 15 anos de atuação no Brasil. Todos os anos, crianças e adolescentes vão à cidade catarinense para tentar uma vaga na instituição, que oferece ensino gratuito para os cursos técnicos em dança clássica e dança contemporânea. Além dos testes em que demonstram seu conhecimento técnico, os candidatos também passam por uma avaliação física – mas o momento mais esperado é o da etapa artística, na qual os jovens executam exercícios de dança para uma banca avaliadora, formada por professores russos e brasileiros.

Responsável pelo processo de seleção na escola, a professora Sylvana Albuquerque explica que os candidatos são divididos por idade e fazem exercícios de acordo com o tipo de dança que escolheram – clássica ou contemporânea. Enquanto eles executam os movimentos, os professores avaliam se eles possuem potencial para se desenvolver com a técnica que a escola propõe. Ao final das atividades, os jovens são avisados se passaram para a etapa seguinte – e há uma conversa especial com aqueles que não avançaram, para que eles não se sintam inclinados a desistir da profissão. “Como tratamos com não profissionais e gente bastante jovem, é importante fazermos das audições uma experiência positiva. Ainda mais porque sabemos que também se trata de um sonho”, acrescenta Sylvana.

Esse incentivo é considerado muito importante pela escola porque a audição é um momento que se fará presente na vida de todo o bailarino depois da formação: dessa forma, ele é selecionado para entrar em companhias ou participar de espetáculos. Amanda Gomes, de 20 anos, que atualmente é solista da Ópera de Kazan, na Rússia, foi aluna da Escola Bolshoi e conta um pouco de sua experiência em audições. “A audição é um momento de fato muito importante, talvez possa ser comparado a um vestibular. Quando estava pronta para a audição na Escola Bolshoi, via ali a oportunidade de estudar o que sempre sonhei e, então, fazer disso minha profissão”, relembra.

Ela explica que as audições profissionais nunca são iguais: “depende do que a escola ou a companhia pede. Muitas vezes, é composta de aula de balé ou contemporâneo, com fases eliminatórias, e uma variação ou solo no final. É sempre necessário verificar com atenção o edital”. Sobre a preparação, ela acredita que deve ser mais emocional do que de fato física, pois o conhecimento em dança é adquirido no dia a dia, durante aulas e ensaios – mas o nervosismo é muito comum e precisa ser minimizado para não atrapalhar o desempenho. “Com o tempo, aprendi a controlar um pouco o nervosismo, procuro fazer minha oração e me concentrar. Autoconfiança e segurança são fundamentais, mas aquele friozinho na barriga não tem como evitar”.

E depois de estar dentro da sala, em plena audição, o que passa pela cabeça de um bailarino? “Sempre existe aquela ansiedade de saber se você está indo bem, se estão gostando. Mas a concentração deve ser mantida no que você está fazendo, se preocupar demais em observar a reação de quem avalia pode atrapalhar muito”, aconselha Amanda. Além de se concentrar nos movimentos, o bailarino deve ouvir com atenção o que diz o avaliador, pois é ele que passa as instruções sobre o que deve ser feito durante a audição.

Depois de tudo, vem o momento mais esperado: a comunicação do resultado. Caso não seja aprovado, o importante, segundo a professora Sylvana Albuquerque, é que o candidato não se sinta abatido e sem vontade de continuar. “Quando você não passa na audição, não quer dizer que você não é um bom bailarino, mas que você não estava preparado para aquele papel ou para aquele repertório específico”, diz Sylvana. Já para quem recebe um “sim”, o sentimento é indescritível, segundo Amanda: “É uma alegria imensa, inexplicável. É o começo de algo novo e de novos desafios”.

deixe seu comentário
7
  • Jocastafonseca 02/09/2015 08:08:58 Sou fruto de um não de uma audição do Bolshoi. E graças a isso,conheci o ballet e hoje sou bailarina profissional.
  • Ana vitoria 18/10/2015 14:06:13 Linda a profissao de bailarino, admiro muito Gostaria muito fazer ballet, uma das danças q mais admiro!!!!;)
  • divandia 08/02/2016 10:38:34 a DEDICAÇÃO É MUITO IMPORTANTE, NÃO SOU BAILARINA MAS ACOMPANHO UM GRUPO DE CRIANÇAS CARENTES DA MINHA COMUNIDADE, E VEJO O ESFORÇO DOS INSTRUTORES MESMO SEM SER PROFISSIONAL MAIS O POUCO DE EXPERIÊNCIA QUE TEM PASSANDO PARA CRIANÇAS QUE TEM UM SONHO DE SER BAILARINA.
  • Barnypok 03/01/2017 11:19:35 k76dpy http://www.FyLitCl7Pf7ojQdDUOLQOuaxTXbj5iNG.com
voltar